Mona Hatoum questiona, provoca e sabe também poetizar com a sua ARTE.

 

Mona Hatoum Over 2

Over My Dead Body [Por cima do meu cadáver], 1988-2002, impressão a jato de tinta sobre plástico com ilhós, coleção da artista, 204 x 305 cm. Foto CATVG

 

Nasceu em Beirute, no Líbano em 1952. Desde 1970, ela vive entre Londres e Berlim.

Já apresentou individuais no Centre Pompidou (1994), Tate Britain (2000), Kunsthalle, em Hamburgo (2004), Museum of Contemporary Art, Sidney (2005) e Palazzo Querini Stampalia, no contexto da Bienal de Veneza (2009). Em 2011, foi vencedora do Prêmio Joan Miró, quando realizou uma exposição individual na Fundação Joan Miró, em Barcelona. Nos próximos meses estão agendadas mostras em Paris, Londres e Helsinque.

Sua família exilou-se no Líbano, depois da ocupação israelense da Palestina, em 1948, mas nunca conseguiram documentos libaneses, só tendo recebido a nacionalidade britânica através de relações de trabalho de seu pai com a embaixada.

Mona Hatoum fez a sua primeira viagem para Europa em 1975. Quando estava em Londres, eclodiu a guerra civil libanesa e ela ficou impossibilitada de voltar a Beirute. Separada de sua família por 15 anos que foi a duração do conflito, Mona Hatoum resolveu estudar artes e foi aí que tudo começou.

O estranhamento é o efeito esperado para quem entra em contato com a arte de Mona Hatoum, uma das mais importantes artistas da atualidade. Não é para menos. As peças falam de política, opressão, violência e ironia. Com a curadoria de Chiara Bertola, coordenação curatorial de José Augusto Ribeiro e Natasha Barzaghi Geenen, a exposição com 30 trabalhos é a primeira individual da artista na América Latina. Estação Pinacoteca, São Paulo

Na obra “Over My Dead Body” (Por cima do meu cadáver): Rosto da artista encarando um soldadinho posicionado no seu nariz  que parece ameaça-la .

 

IMG_3530

Globe, 2007, aço. Foto CATVG, acervo pessoal

 

“ Em Globe, podemos associar a estrutura em grade ao globo terrestre e suas divisões imaginárias em meridianos e paralelos. O posicionamento da obra reproduz o eixo de inclinação da Terra, mas, diferentemente de um globo terrestre, não há indicação de continentes ou países. Mais do que puras formas geométricas e abstratas, a aparência deste globo pode remeter à múltiplos significados, tais como o das arquiteturas de espaços para prisão e confinamento, ou às estruturas em rede que refletem conexão e aproximação entre as pessoas, especialmente no mundo contemporâneo” Tatiane Gusmão e Mila Chiovatto.

 

Mona hatoum tapete

Present Tense (Tempo presente), 1996-2011 Sabão e vidro, 5 x 320 x 258 cm. Foto CATVG.

 

“Present Tense é uma obra realizada por Mona Hatoum para uma exposição em Jerusalém, em 1996. Todos os materiais usados nessa composição foram escolhidos pela artista durante a estadia no local, prática comum em seu processo de trabalho. Ela utilizou 2.400 blocos de sabão de Nablus, cidade ao norte de Jerusalém que produz um tradicional sabão palestino feito principalmente com óleo de oliva e água. As contas de vidro vermelhas foram compradas no souk (mercado popular das cidades no Oriente Médio) da cidade velha de Jerusalém. Com elas, Mona Hatoum desenhou o território palestino definido em 1993 pelos acordos de Oslo, cartografia que propunha a fragmentação das comunidades palestinas em regiões isoladas uma das outras. Com a figura do mapa, a obra pode gerar indagações sobre os limites entre os territórios, a instabilidade das fronteiras e a impossibilidade de união das nações”. Tatiane Gusmão e Mila Chiovatto.

 

Mona Hatoum soldado

Escultura , 1991-2001, de bronze, coleção particular, 61 x 34,5 x 34,5 cm. Foto CATVG.

 

Mona hatoum soldado em oito

Foto CATVG.

 

Soldadinhos de brinquedo, dispostos para formar o símbolo do infinito, ao mesmo tempo parecem caminhar continuamente para lugar nenhum. A referência à guerra e à violência sem fim, é associada à brincadeira de criança, colocada sobre um banco , móvel banal, cotidiano, como se estivesse dentro da sala da nossa casa. Infância, guerra e espaço doméstico aparecem relacionados aqui.

 

IMG_3597

Misbah [Luminária], 2006-2007, corrente de metal, lâmpada, luminária de latão e motor elétrico, coleção particular, 56 x 32 x 28,5 cm. Foto CATVG

O pendente Misbah exposto na Fundação Querini Stampalia, em Veneza. A obra projeta nas paredes estrelas e soldados apontando armas para pessoas indefesas.

 

IMG_3606

Foto CATVG.

 

A projeção de sombras de Misbah fica em rotação, como em uma lanterna mágica.

 

IMG_3593

Paravent [Biombo], 2008, de aço, coleção da artista, 302 x 215 x 5 cm. Foto CATVG.

“Relações de familiaridade e estranhamento são frequentes em várias obras de Mona Hatoum nas quais o caráter estranhamento é sugerido. Nestas duas obras, raladores tem sua escala ampliada e transformam-se em um biombo e um divã.”

 

IMG_3596

Daybed [Sofá-cama], 2008, de aço, coleção Luiz Paulo Montenegro, 219 x 31,5 x 98 cm. Foto CATVG.

“Objetos que deveriam servir para o seu conforto e bem estar, extensões do corpo no ambiente doméstico, tornam-se ameaçadores e agressivos.

É como se a artista nos lembrasse que não há segurança e estabilidade real em nosso mundo, numa atitude que questiona as verdades estabelecidas colocando-as em posição de dúvida e ambiguidade.”

 

IMG_3579

Worry Beads [Rosário / Pérolas de preocupação], 2009, de aço e bronze, coleção particular, 20 x 325 x 391 cm. Foto CATVG.

IMG_3570

Janela é a projeção em circuito fechado de imagens e sons captados ao vivo da praça em frente da Estação Pinacoteca, no Largo General Osório. Foto CATVG

 

Mona Hatoum reflection

Reflection, 2013. Impressão digital sobre três camadas de tule e alumínio. Coleção particular/SP. Foto CATVG

 

Sonhando acordado, 2014, tecidos bordados, fio de náilon e pregadores de plástico, 249 x 285 x 550 cm. A instalação foi criada em parceria com mães de crianças ligadas à Associação de Assistência à Criança e ao Adolescente Cardíacos e aos Transplantados do Coração (ACTC)

 

Mona Hatoum ao lado dos serus trabalhos

Mona Hatoum ao lado do seu trabalho “Sonhando Acordado”, 2014. Coleção da artista. Tecidos bordados. Foto da Internet.

 

Na obra Sonhando Acordado, a artista pediu às mães que escrevessem e desenhassem seus sonhos e desejos nas fronhas. Qual seria o seu maior sonho?

A instalação Sonhando Acordado é composta por 33 fronhas bordadas por mães de crianças atendidas pela Associação de Assistência à Criança e ao Adolescente Cardíacos e aos Transplantados do Coração (ACTC). Hatoum conheceu o trabalho destas mulheres em 2010, quando veio pela primeira vez ao Brasil.

A artista conta que se comoveu com os bordados feitos pelas mães das crianças em tratamento. “Eles as abrigam e as ensinam como fazer bordado de modo a manter suas mentes fora de seus problemas e também como modo de ganhar dinheiro enquanto elas esperam que a operação aconteça”, diz.

Foi aí que Hatoum decidiu que queria produzir uma obra com estas mulheres. “Eu pedi a elas que desenhassem e bordassem seus sonhos e seus desejos. O que elas sentiam que poderia tornar sua vida melhor e bordassem isso em uma fronha, que está relacionada ao sonho”, conta.

 

IMG_3547

Foto CATVG

 

Esta obra ” Sonhando Acordado” foi produzida especialmente para essa exposição. As mães participam de um curso de bordado. “As mães desenvolveram imagens que melhor representassem seus sonhos e as bordaram nas fronhas que aqui expostas. O resultado é uma obra tocante, que revela a essência dos desejos humanos numa situação crítica” Tatiane Gusmão e Mila Milene Chiovatto

 

 

IMG_3550

Foto CATVG.

 

IMG_3548

Foto CATVG

 

IMG_3555

Foto CATVG

 

IMG_3560

Foto CATVG.

 

IMG_3540

Foto CATVG.

 

IMG_3552

Foto CATVG

 

IMG_3556

Foto CATVG.

 

IMG_3557

Foto CATVG.

 

IMG_3559

Foto CATVG.

 

(Visited 371 times, 1 visits today)
Tags: , , , ,
0