O sino da Independência do Brasil. Uma história escondida (e desconhecida) !

Sino da Independência do Brasil

Sino da Independência do Brasil

 

 

 

O sino pertence à Igreja de São Geraldo e encontra-se instalado em sua torre, com acesso difícil. É denominado Bronze Velho, desde os tempos em que pertenceu à antiga Catedral da Sé. Em 1913, com a demolição da catedral, foi transferido para o Mosteiro da Luz e, em junho de 1942, doado à Igreja de São Geraldo. Fundido em bronze misturado a 18 kg de ouro, com uma altura de 1,75 m por 1,70 m de diâmetro, o sino pesa 2.250 kg. Foi fundido por Francisco Chagas Sampaio em 1820. No sino estão gravados o nome do autor, as armas do Reino de Portugal e trecho do salmo 150.

Igreja da Sé

Praça da Sé em foto de 1880. A antiga catedral de São Paulo, onde o sino permaneceu até 1913, está à direita.

 

Sino da Independência do Brasil é o sino brasileiro, localizado na cidade de São Paulo, que anunciou a proclamação da Independência do Brasil.

Comparável ao Sino da Liberdade dos Estados Unidos em termos da sua importância histórica, foi tombado pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico) do Estado de São Paulo em junho de 1972.
Atualmente, o sino pertence à Igreja de São Geraldo, estando instalado em seu campanário, mas com acesso difícil ao visitante que queira visitá-lo. É apelidado de “Bronze Velho”, desde os tempos em que pertencia à antiga Catedral da Sé, onde permaneceu entre a sua fundição em 1820 e a demolição da catedral em 1913, quando foi transferido para o Mosteiro da Luz. Em junho de 1942, foi doado definitivamente à Igreja de São Geraldo, situado no bairro paulistano de Perdizes (distrito de São Paulo). Fundido em bronze por Francisco Chagas Sampaio, provavelmente na Bahia, é misturado a 18 kg de ouro, com uma altura de 1,75 m por 1,70 m de diâmetro, pesando em torno de 2.250 kg.2 No sino estão gravados o nome do autor, as armas do Reino de Portugal e trecho do salmo 150.1

Bronze Velho, o Sino da Independência

Bronze Velho, o Sino da Independência

sino da ind letras

Base do Sino

 

sino da indep

Brasão de Armas do Reino de Portugal

sino da Independência

Salmo

Foto da Igreja menor da paróquia escolher

Igreja São Geraldo das Perdizes

Em novembro de 2003, o badalo original, pesando entre 50 e 60 kg, foi roubado. Supunha-se que os ladrões pretendiam extrair ouro do objeto, embora o metal visado estivesse dissolvido com o bronze apenas no sino.”
Fonte: WIKI

 

Campanário da Igreja (foto arquivo pessoal 6/09/2014)

Campanário da Igreja (foto arquivo pessoal 6/09/2014)

 

Diante dessas fotos e desse material, hoje dia 6 de setembro de 2014, véspera da comemoração da nossa Independência, resolvi conhecer o Sino da Independência, o “Bronze Velho”, cuja existência era por mim ignorada, devo isso à pouca valorização da Memória Nacional.

Com o endereço na mão cheguei na Paróquia São Geraldo das Perdizes…… feliz, feliz!!

Meus olhos foram para o alto, percebi que havia movimento de obra no campanário….mas e o Sino da Independência?? (já com idéia fixa) Se vocês aumentarem as fotos vão ver rebocos, cordas etc…. Aliás, adoro a palavra campanário.

 

Foto da Igreja com o campanário

Reparem nas janelas do campanário, o movimento de reformas.

Foto da Igreja from altar não sei se é a mesma

Do altar para a porta principal

Igreja São Geraldo com o altar ao fundo (foto arquivo pessoal)

Igreja São Geraldo com o altar ao fundo (foto arquivo pessoal)

Foto da Igreja porta c vitrais

Porta Principal

Foto da Igreja Via Sacra

Via Sacra e Vitral

 

Uma breve história.

“A Antiga ermida (folder da Paróquia)

Em sua obra “São Paulo Antigo”, ao tratar dos aspectos de conteúdo histórico-cultural e artístico da região onde se localiza o Bairro das Perdizes, Paulo Egydio Martins escreveu que já em 1850 existia no Alto das Perdizes, uma pequena capela dedicada a Santa Cruz das Perdizes, que ele chama de “antiga ermida, que se tornara ponto de referência na primitiva zona, onde já morava a famosa dona Tereza de Jesus Assis” ( a criadora de perdizes, conforme notícia acima).

Atas de cinco reuniões da Câmara municipal de São Paulo, realizadas entre 1876 e 1881, registram que algumas pessoas, “devotas da referida capela, denominada de Nossa Senhora da Conceiçãoi e Santa Cruz, que fica entre as duas estradas que vão para a Água Branca”, em grupo ou isoladamente, requerem à Edilidade, em diferentes ocasiões, para que os terrenos contíguos à capela não fosse mais objeto da “concessão de datas” e, sim , fossem doados (à capela) para formação do patrimônio e desenvolvimento de suas atividades espirituais futuras. Entre esses devotos, o mais notável foi Francisco de Paula Xavier de Toledo, considerado o principal protetor da ermida.

 

Não se sabe ao certo quando essa pequena e primitiva capela deu lugar à outra, de maiores dimensões e também dedicada a Nossa Senhora da Conceição e Santa Cruz, posicionada onde fica, hoje, a Capela do Santíssimo Sacramento da Igreja Matriz de São Geraldo. Foi nessa capela maior, então pertencente à Paróquia de Santa Cecília, que em 16 de Fevereiro de 1914, se fez aos fiéis a leitura do decreto da criação da paróquia de São Geraldo das Perdizes.

 

Foto da Igreja com Nossa Senhora Aparecida

Vitral

Foto da Igreja com o cartaz

Centenário da Paróquia

Foto da Igreja com o Confessionário

Confessionário

Foto da Igreja com o santo iluminado

São Geraldo. Altar Principal

Foto da Igreja com piso e porta

Foto arquivo pessoal

Foto da Igreja linda foto c vitrais e Renzo

Porta Lateral

 

O Sino Da Independência

O campanário da torre da Igreja de São Geraldo das Perdizes é considerado o relicário do Sino da Independência. Inicialmente instalado na antiga Sé Catedral, foi lá que ele repicou no dia 7 de setembro de 1822, anunciando aos Paulistanos que o Brasil, finalmente era um País independente de Portugal. Da Sé Catedral o sino foi levado para o Convento  da Luz , onde esteve de 1912 até  Julho de 1942, quando foi doado à paróquia de São Geraldo das Perdizes. Alçado à torre a 21/08/1942, foi instalado no campanário a 22/o8/1942 que caiu num sábado. No dia seguinte , o Bairro inteiro das Perdizes daquela época, foi chamado para as celebrações dominicais pelo som do novo sino. (Fonte: Folder do Centenário da Paróquia)

 

Foto da Igreja àgua benta

Água Benta

Foto da Igreja com a placa inteira de longe

Placa comemorativa da Solene Procissão do Santíssimo Sacramento em 7 de Setembro de 1842

 

 

Agora vocês estão me perguntando se eu vi o Bronze Velho. Não, eu não vi, porque depois que roubaram o pêndulo ( fico imaginando a façanha, a força e a falta de segurança), só com a permissão do padre.

E cadê o Padre?

O Padre José Augusto está em reunião.

E a Missa?

Não vai nem rezar a missa porque está em reunião, só a missa das 17:30.

Então, eu espero.

Pode ser que a reunião demore mais.

Então, venho amanhã.

Ih… a escada é muito retinha e está cheia de pó…

Quem já subiu a escada da torre do Campanário de uma igreja medieval em Taillin, Estônia, está pronta para qualquer desafio. Volto amanhã e se o Padre José Augusto me permitir, continuo a matéria.

Enquanto isso, mais uma observação, tenho certeza que foi José Bonifácio de Andrada e Silva, o nosso Patriarca da Independência que mandou repicar o Bronze Velho tão alto, tão alto, para que todo o Brasil escutasse o som da nossa Liberdade!

 

  SEGUNDO CAPÍTULO

Domingo, 7 de setembro de 2014

Ao constatar com grande tristeza que a maioria da mídia simplesmente ignorou a DATA NACIONAL e seus PERSONAGENS HISTÓRICOS, mais necessidade ainda tive, de ter contato com algo que celebrasse a minha PÁTRIA, algo real e tangível e que me levasse aos tempos da glória e da esperança.

Lá fomos nós, meu marido e eu, para a Igreja São Geraldo das Perdizes.

Sou da teoria que só quem tenta, tem.

 

Esperando o Padre José Augusto

Esperando o Padre José Augusto

 

Padre José Augusto, pároco há trinta anos da Igreja, foi gentilíssimo e nos deu a permissão para conhecer finalmente o “Bronze Velho , não sem antes  nos avisar da subida íngreme e da poeira das obras de reforma do campanário.

 

Esse é o início da subida

Esse é o início da subida

 

Primeiro estágio

Primeiro estágio

Não queiram olhar para cima.

Renzo, meu fiel escudeiro

Renzo, meu fiel escudeiro

Pensei naquelas tirinhas: “Amar é….”, ele tem verdadeiro pânico de altura.

.....alarme falso

…..alarme falso

Ainda não era nenhum desses.

Ainda não era nenhum desses.

Finalmente

Finalmente

 

Com grande alegria e entusiasmo, nós vos apresentamos no dia 7 de Setembro de 2014, o Sino da Independência, aquele que badalou a música de uma pátria nova: O Brasil!

 

" Bronze Velho", o nosso Sino da Independência

” Bronze Velho”, o nosso Sino da Independência (acervo pessoal Claudia e Renzo)

Esse badalo é novo, como disse anteriormente, o original foi roubado na madrugada do dia 26 de novembro de 2011 da torre da Igreja de São Geraldo. O badalo pesava de 50 a 60 kg, era feito de ferro e chumbo.  O Padre José Augusto Schramm Brasil, acredita que os ladrões vieram em busca do ouro. Um reportagem feita na ocasião da comemoração dos 450 anos da cidade de São Paulo em 2004, fazia referência ao 18 kg de ouro, mas não esclarecia que o metal estava dissolvido com o bronze apenas no sino.

Sino da Independência (acervo Claudia e Renzo)

Sino da Independência (acervo Claudia e Renzo)

” O valor histórico do sino é atestado pela Condephaat. Ele foi fundido em 1820 pelo artesão Francisco das Chagas Sampaio. Sua origem é incerta, mas acredita-se que tenha sido confeccionado na Bahia, que se distinguia na fabricação de campanários.”

Sino da Independência  (acervo pessoal de Claudia e Renzo)

Sino da Independência
(acervo pessoal de Claudia e Renzo)

Quando em junho de 1942 foi doado à Igreja São Geraldo, uma torre foi construída especialmente para recebe-lo. Para iça-lo, foram necessários um guindaste e muitos homens.

Consegui!!!!!!

Consegui!!!!!!

(Visited 1.315 times, 1 visits today)
Tags: , , , ,
0